MÚSICOS

Gileno Santana
TROMPETE

Trompete / Fliscorne


Gileno Santana é um trompetista e compositor luso-brasileiro nascido em Salvador (Bahia, Brasil). Venceu a competição internacional de jazz BEJAZZ’14 em Berna (Suíça) com o Grupo Egli-Santana. Recebeu a Medalha de Honra da Ordem de Músicos do Estado de São Paulo e foi o primeiro músico luso-brasileiro a ser palestrante na Universidade de Harvard.


Gileno Santana começou a estudar música em 2003, no Brasil, e dois anos depois participou na gravação do álbum Bahia Band do saxofonista americano Mike Ellis. Em 2006 mudou-se para Portugal para estudar no Hot Club de Portugal e na Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo do Porto.


Em 2008 foi convidado a integrar a Orquestra Jazz de Matosinhos (OJM). Como lead trumpet, trabalhou com Jim McNeely, Chris Cheek, Mark Turner, Ohad Talmor, Andy Sheppard, Lee Konitz, Kurt Rosenwinkel, Maria Schneider, Carla Bley, Steve Swallow, Dan Weiss, Maria João, Mayra Andrade, Julian Argüelles, Florian Ross, Pierre Bertrand, Michael Mantler, Fred Hersch e muitos outros. Participou em cinco álbuns da orquestra e actuou em prestigiados palcos nacionais e internacionais, com destaque para a Wiener Konzerthaus (Áustria) e o clube Blue Note (Nova Iorque).


A discografia a solo de Gileno Santana inicia-se em 2010, como líder do GS Quartet. No seu primeiro álbum, Início, teve a companhia dos renomados músicos Hermeto Pascoal e Hamilton de Holanda. O seguinte, Metamorphosis (Caligola Records), foi considerado pela crítica um dos melhores álbuns do ano. Em 2016 apresentou o seu terceiro disco, Inevitável (Caligola Records), em duo com o guitarrista Tuniko Goulart, que alcançou um nível de popularidade mundial a sua composição “Malaco” tornou-se viral nas redes sociais, com a participação de mais de 100 músicos de várias partes do mundo. Com este álbum fez uma longa digressão por Portugal, República Checa, Hungria, Áustria, Suíça, Coreia do Sul e Inglaterra. Em 2017, em duo com a acordeonista Inês Vaz, Gileno Santana apresentou o seu quarto álbum, Ciranda, dedicado a música tradicional portuguesa.


O seu trabalho como arranjador inclui colaborações com artistas portugueses de grande sucesso. É constantemente solicitado para sessões de estúdio e concertos ao vivo com alguns dos maiores artistas do país, do rock à pop. Internacionalmente, colaborou com Tony Allen, Amp Fiddler, Munir Hossn, James Morrison, Edmar Castaneda, Andy Hunter, Marshall Gilkes, Bob Stewart, Thomas Gansch, Dick Oats, Hermeto Pascoal, Adam Rapa e Maceo Parker. Em 2015 e 2017, foi solista convidado em dois concertos da Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música com o cantor Gregory Porter. Colaborou com o projecto italiano PoLo, com o qual gravou o álbum Pleasures (Auand) e realizou dezenas de concertos no Norte de Itália. Na Suíça, é membro do Grupo Egli-Santana e da DRO David Regan Orchestra.


Gileno Santana é frequentemente convidado a ministrar masterclasses e workshops em diferentes partes do globo. Tem viajado pelos cinco continentes, incluindo países como Japão, Austrália, Colômbia, Cabo Verde e Áustria. Em Outubro de 2017, foi professor residente da famosa Australian University James Morrison Academy em Mount Gambier. Ensina trompete jazz no Conservatório de Música do Porto.


É patrocinado por marcas internacionais de trompete como Inderbinen, Schagerl, Applied Microphone Technology e Joyo, e é também um dos embaixadores portugueses da marca de roupas britânica Fred Perry.