None

Orquestra Jazz de Matosinhos & Maria João

Com mais de 20 álbuns editados, Maria João é a maior voz do jazz português e a sua carreira, reconhecida pelos quatro cantos do mundo, destaca-se pela versatilidade e pelo desafio constante do cruzamento de novos estilos.  A célebre cantora e a Orquestra Jazz de Matosinhos editaram em conjunto o álbum Amoras e Framboesas, em 2011, que apresentaram em concerto no mesmo ano, em diversos Festivais Internacionais de Jazz em Portugal e França. 

Em Amoras e Framboesas, estes dois nomes de referência do jazz nacional exploram três universos musicais, revelando um repertório tão diversificado como memorável. Principiando pelos temas clássicos do cancioneiro norte-americano, conhecidos por Maria João desde o início da sua carreira, entre 1982 e 1986: o melancólico Spring Can Really Hang You Up The Most, de F. Landesman e T. Wolf, aqui num arranjo de Carlos Azevedo; o swing The Surrey With The Fringe On Top, de O. Hammerstein e R. Rodgers, com arranjos de Pedro Guedes; e o jazz mais moderno de Skylark de J. Mercer e H. Carmichael, com arranjos de Pedro Guedes.

Seguem-se temas da música popular brasileira, em que a cantora combina o melhor da sua voz com um gosto pessoal e antigo, consumado no álbum João, de 2007. Com a OJM, apresenta Canto de Ossanha, tema de Baden Powell e Vinícius de Moraes, com arranjos de Telmo Marques; Lígia de Tom Jobim, com arranjos de Paulo Perfeito; e o tema Beatriz, de Edu Lobo e Chico Buarque, em que é acompanhada pelos convidados João Farinha (fender rhodes) e André Nascimento (eletrónica), seus companheiros no projeto Ogre.

Por último, Amoras e Framboesas inclui ainda as composições da longa colaboração entre Maria João e o pianista Mário Laginha, uma contribuição essencial para o jazz cantado em português. São elas: Há gente Aqui do álbum Cor, aqui com arranjos de Paulo Perfeito, o tema Flor, dedicado ao Brasil do álbum Chorinho Feliz, com arranjos de Carlos Azevedo e Torrente do álbum Tralha, com arranjos de Pedro Guedes.

A OJM e Maria João apresentaram pela primeira vez este programa num concerto na Casa de Música, em 2009, resultando nos seguintes meses neste muito expressivo Amoras e Framboesas