Costa Muda

Tendo como ponto de partida um filme histórico com imagens do trágico naufrágio do paquete Veronese, ocorrido ao 1913 na costa da Praia da Boa Nova, este cine-concerto aprofunda os pontos de contacto entre a temática do mar e a música, com vista para o Porto de Leixões. Luís Tinoco escreveu música nova para O Naufrágio do Veronese que capta a tristeza que se viveu por trás da câmara e não pôde ficar documentada. Margarida Cardoso criou um filme para uma obra composta em 2001 por Bernardo Sassetti também ela ligada ao mar, Pescaria. O restante programa é preenchido por novas composições e curtas-metragens nascidas das parcerias entre compositores e cineastas, resultado de encomendas da Casa da Música, Câmara Municipal de Matosinhos e APDL, no âmbito do festival Invicta.Música.Filmes. Aos filmes de Tiago Guedes, Sandro Aguilar, Francisco Moura e João Canijo somaram-se, respetivamente, as composições de Pedro Guedes, Carlos Azevedo, Ohad Talmor e Mário Laginha. A projeção dos filmes acompanhada ao vivo pela Orquestra Jazz de Matosinhos, percorre os olhares extremamente pessoais e inesperados sobre uma realidade que nos é estranhamente próxima.

O Naufrágio do Veronese, produção Invicta Film [1913, 5’46’’]

+ Costa Muda, música de Luís Tinoco [2013] **

Dive, filme de Sandro Aguilar [2013, 9’56’’] **

+ Dive, música de Carlos Azevedo [2013] **

Tritão, filme de Francisco Castro Moura [2013, 7’59’’] **

+ Etude 1 - Movement, música de Ohad Talmor [2013] **

Espécie de Miragem Incompleta, filme de Tiago Guedes [2013, 7’3’’] **

+ Cestas e Garras, música de Pedro Guedes [2013] **

Atlas, filme de Margarida Cardoso [2013, 8’16’’] **

+ Pescaria, música de Bernardo Sassetti [2001] *

Cruzeiro, filme de João Canijo [2013, 8’] **

+ Leixões, música de Mário Laginha [2013] **

*encomenda da Porto 2001, Capital Europeia da Cultura/Casa da Música (estreia no âmbito da Porto 2001 pela Orquestra Jazz de Matosinhos)

**encomendas da Casa da Música, Câmara Municipal de Matosinhos e APDL


Costa Muda

Os numerosos naufrágios e encalhes ocorridos ao longo da faixa costeira compreendida entre as barras dos rios Douro e Ave, nomeadamente durante a noite em épocas em que os pontos luminosos eram escassos, levaram os mareantes estrangeiros a cognominarem-na, no passado, de Costa Negra ou Costa Muda. Foi também nesta costa, na praia da Boa Nova, que a 16 de janeiro de 1913 naufragou o paquete Veronese num trágico acidente que ficou registado no filme que inspirou a partitura que escrevi para a Orquestra Jazz de Matosinhos. O meu primeiro contacto com este documento, porém, não me permitiu a verdadeira dimensão da tragédia. As imagens centram-se no navio encalhado e nos esforços da população que se uniu para salvar as vidas dos passageiros do Veronese. Através destas imagens, percebemos a forma engenhosa como foram lançados foguetões de terra para bordo, com o objetivo de colocar os cabos de vai-vem para transportar os náufragos até à praia. No entanto o filme não capta todo o sofrimento que se viveu durante três dias e que só pude perceber quando li relatos sobre (…) uma mãe que, carregando dois filhos, perde um deles arrebatado pela violência das ondas; ou sobre um (…) cabo de vai-vem que se partiu, deixando um náufrago à deriva, sem forças para lutar pela vida. Assim, para esta peça, mais do que pretender acompanhar passo a passo as imagens projetadas, procurei escrever uma música que captasse a tristeza que se viveu atrás da câmara e que não pôde ficar documentada neste belo filme.

Luís Tinoco (compositor)

Dive

Voar, mergulhar, são formas de invadir um espaço que nos foi interditado pela natureza dos nossos corpos. Talvez por isso seja a matéria de muitos dos nossos sonhos, o motivo das nossas ambições e frequentemente a figuração da nossa angústia. Quando se atreve a ultrapassar este limite, e apesar da iminência de um naufrágio, o homem é recompensado por uma espécie de renascimento. De olhos limpos, pode voltar a descobrir um território virgem, todo um mundo primitivo com a sua própria gravidade, novos perigos e revelações. Quando nasce está na fronteira com a morte tal como quando, próximo da morte, experimenta intensamente o milagre muito físico de permanecer vivo.

Sandro Aguilar (realizador)

Tritão

O céu. O mar. A imensidão do Homem que controla o inelutável. Quando Golias chega ao Porto não pode entrar à força de peso nem de tamanho. David irá alcancá-lo, contorná-lo, comandá-lo até ao destino. É como se David e Golias se enfrentassem e enquanto David segue em frente, mantendo a rota, Golias sucumbe vítima do próprio tamanho, do próprio peso. Pela popa, David controla a navegação, vence a opulência e a solidez e reboca Golias até à atração. Invertem-se os tamanhos pela força da destreza, encontram-se equilíbrios inesperados, hierarquias consentidas. É David quem o recebe, quem o vê chegar, quem o leva a bom porto, é também ele quem o vê partir, quem o devolve ao mar.

Francisco Castro Moura (realizador)

Espécie de Miragem Incompleta

Como ponto de partida quis explorar em filme o conceito de improvisação tal como é explorado na música. Comecei a montar o filme em silêncio, compondo ritmos possíveis com imagens para uma música imaginária. Fui enviando ao Pedro sequências e excertos que ele foi usando como inspiração para ir compondo. À medida que isso acontecia foi-me ele enviando sequências e excertos musicais para eu usar como inspiração para ir avançando com a montagem. Este pingue-pongue criativo de imagens e de sons fez-nos chegar a uma palavra, a uma ideia, que por sua vez resultou neste filme. Suspensão: ato ou efeito de suspender; estado de algo que está suspenso; enleio, êxtase; incerteza, dúvida; hesitação, pausa; sentido interrompido ou incompleto; sustentação de uma nota musical; sinal de pausa; espécie de miragem incompleta.

Tiago Guedes (realizador)

Atlas

Atlas foi construído para uma peça pré-existente do Bernardo Sassetti. Na verdade foi um exercício semelhante a adaptar um conto ou um romance para cinema, e isso nem sempre é simples… Como materializar - fixar - em imagens finitas o que na música, tal como na literatura, nos é sugerido através de imagens infinitas? Tentei manter o que julguei ser a essência narrativa da música do Bernardo mas servindo-me do meu universo e daquilo que me interessava explorar: o tempo e a memória. Atlas é também uma “pescaria” de matérias visuais com as quais quis criar um mundo irreal e intemporal por onde vagueiam sonhos, fragmentos de memórias… e o mar.

Margarida Cardoso (realizadora)

Cruzeiro

Um paquete de cruzeiros chega ao porto de Leixões. Os turistas em férias desembarcam para visitar a cidade, no meio do trabalho do porto que continua como se eles importassem menos que as gaivotas. A vida é patética. Mas será mais patética a vida ativa da gente que tenta sobreviver, ou a vida aborrecida dos reformados que se deixam arrebanhar num cruzeiro low-cost? O contraste das imagens das atitudes é visível, mas o invisível da miséria das almas só pode ser imaginado.

João Canijo (realizador)