Músicos

Pedro Guedes Direção Musical

piano, composição, direção musical 

Oriundo de uma família com forte tradição musical, Pedro Guedes estudou piano com uma professora particular entre os 5 e os 9 anos de idade. Em meados dos anos 80, ingressou na recém-criada Escola de Jazz do Porto, onde foi aluno de Mário Laginha. Neste período, foi presença habitual como pianista em bares e outros palcos e integrou a primeira formação da Orquestra de Jazz do Porto. Frequentou o Conservatório de Música do Porto com Vitali Dotsenko. A inexistência de oferta educativa na área do jazz em Portugal levaram-no a mudar-se para Nova Iorque em 1992, sendo admitido na New School for Jazz and Contemporary Music, onde concluiu o curso em 1994. Durante este período estudou com alguns dos mais reputados músicos de jazz (Richie Beirach, Fred Hersh, Brad Mehldau, Jim Hall e Joe Chambers, entre outros).

De regresso a Portugal, criou o Quinteto Pedro Guedes, para o qual compôs música original e que o levou a festivais e clubes de Portugal, Espanha e França. Em 1995 tornou-se Diretor Musical da Walt Disney em Portugal, e em 1997 fundou e dirigiu a Héritage Big Band, orquestra que interpreta composições e arranjos originais de standards e que mais tarde daria origem à Orquestra Jazz de Matosinhos.

Em 1997 regressou aos EUA, ingressando na University of Southern California em Los Angeles, onde frequentou a pós-graduação em Scoring for Motion Picture and Television como bolseiro da Comissão Cultural Luso-Americana (comissão Fulbright) e da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento. Concluiu a pós-graduação no ano seguinte com o prémio da USC (International Student Award) e o prémio de Composição Harry Warren. Entre 1998 e 2001 foi programador do Festival de Jazz do Porto. Foi ainda coordenador e programador da área do Jazz na Capital Europeia da Cultura – Porto 2001.

Em 1999 fundou a Orquestra Jazz de Matosinhos, da qual é atualmente Diretor Artístico, Diretor Musical (em parceria com Carlos Azevedo), compositor, arranjador e pianista. 

Após leccionar na Universidade Católica Portuguesa e no Departamento de Teatro da ESMAE, foi um dos fundadores da primeira Licenciatura em Jazz do país, também na ESMAE - Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo. Desde então é professor em regime de exclusividade deste curso, que coordenou entre 2002 e 2006.


Carlos Azevedo Direção Musical

piano, composição, direção musical

Nascido em Vila Real em 1964, Carlos Azevedo estudou piano na infância e ingressou no Conservatório de Música do Porto em 1982, frequentando os Cursos Superiores de Piano e Composição. Foi o primeiro aluno inscrito na Escola Superior de Música do Porto (atual ESMAE), em 1986, e aí concluiu o curso de Composição. Prosseguiu depois para o Mestrado em Composição na Universidade de Sheffield (1996), sob a orientação de George Nicholson.

O interesse pelo jazz surge nos anos do Conservatório, acabando por inaugurar a Escola de Jazz do Porto enquanto professor de piano, em meados dos anos 80. Em 2001 criou a primeira Licenciatura em Jazz do país, na ESMAE. Partilha com Pedro Guedes, desde 1999, a Direção Musical da Orquestra Jazz de Matosinhos. 

A suite Lenda para decateto foi apresentada nos Festivais de Jazz do Porto (1999), Nantes (2000) e Guimarães (2001), e deu origem ao seu primeiro álbum em nome próprio. A fatia maior das suas composições e arranjos no campo do jazz tem sido escrita para a Orquestra Jazz de Matosinhos, mas recebe também encomendas para outras formações (European Youth Jazz Orchestra, Brussels Jazz Orchestra e David Linx). Em 2003 foi finalista do Concurso Internacional de Composição da Brussels Jazz Orchestra, conquistando o primeiro prémio no ano seguinte.

Das suas obras mais recentes, destacam-se 5 Movimentos Sobre o Mar para quarteto de cordas e piano, Verazin para quarteto de cordas e Crossfade para orquestra sinfónica, orquestra de jazz e solista. Em 2012 estreou a ópera Mumadona, com libreto de Carlos Tê.

Professor de Análise na ESMAE, Carlos Azevedo exerceu aí funções diretivas como Vice-Presidente entre 2002 e 2011. Continua a codirigir a OJM, para a qual escreve composições e arranjos originais e onde se apresenta frequentemente como pianista.



José Luís Rego Madeiras

sopranino, saxofones soprano e alto, clarinete, flauta

José Luís Rego estudou no Conservatório de Música do Porto, na Escola de Jazz do Porto e no Taller Musics de Barcelona, onde teve oportunidade de frequentar diversos seminários internacionais, onde trabalhou com músicos como Donald Harrison, Seamus Blake, Bennie Wallace e outros. Fez parte do Quinteto “Ar de Jazz”, da Orquestra da Escola de Jazz do Porto, da “Máquina do Som” de Pedro Abrunhosa, da Orquestra “Tangencial” de Barcelona e de diversas formações de rock, jazz e blues.

Toca com a Orquestra de Jazz de Matosinhos desde a sua fundação. Atualmente, a par da sua atividade como músico, leciona saxofone no curso superior de jazz na ESMAE. 


João Guimarães Madeiras

saxofones soprano e alto, clarinete, flauta

João Guimarães é um músico do Porto nascido em 1984. Estudou jazz e saxofone com Mário Santos e com Pedro Sousa Silva. Em 2006 terminou os estudos na área do Jazz na ESMAE - Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo, onde estudou com Mário Santos, José Luís Rego, Carlos Azevedo, Pedro Guedes, Nuno Ferreira e Afonso Pais. Em 2009, ganhou uma bolsa de estudos Fulbright, que o levou a fazer mestrado, em 2011, na Manhattan School of Music em Nova York, onde estudou com Steve Wilson e George Garzone, David Liebman, Phil Markowitz e Nils Vigeland.

Integra a Orquestra Jazz de Matosinhos desde 2008, e tem participado em diferentes projetos, incluindo colaborações com a pianista Paula Sousa, o baixista Demian Cabaud, o guitarrista Nuno Costa. Fez parte de um duo com o baterista João Filipe Pais, e de um trio chamado Hitchpop. 

Colaborou com Gustavo Costa, Susana Santos Silva, Hot Club Big Band, Mário Santos, Travis Reuter, Allan Mednard, Ohad Talmor, Leon Boykins, Sebastien Ammann, David Virelles, Simon Jermyn, Jakob Sacks, e tem um octeto formado no âmbito da parceria estabelecida em 2013 entre o Guimarães Jazz e a editora Tone of Pich, e que resultou o álbum “Zero”, aclamado pela crítica como um dos discos do ano. João Guimarães Octeto participou no Porta Jazz Festival em 2014 e 2015 e na 13ª Festa do Jazz do São Luiz em 2015. 

João Guimarães prepara-se para lançar um novo disco com seus companheiros musicais de Nova York: Travis Reuter na guitarra, Leon Boykins no baixo e Allan Mednard na bateria.




João Pedro Brandão Madeiras

saxofones soprano e alto, flauta

João Pedro Brandão nasceu em 1977. Iniciou os estudos musicais na Escola de Música Óscar da Silva, onde estudou flauta transversal com Luís Carrapa entre 1992 e 1997. Em 1999 teve o seu primeiro contacto com o jazz num combo do pianista Paulo Gomes. Em 2002 iniciou o estudo do saxofone com Mário Santos. Concluiu a licenciatura em Jazz (saxofone) da ESMAE - Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo em 2007. Entre Janeiro e Julho de 2007, estudou no Lemmensinstitut (Bélgica) com Frank Vaganée e Dré Pallemaerts. Finalizou em Maio de 2012 o mestrado em Jazz da ESMAE, tendo estudado composição com Carlos Azevedo e Paulo Perfeito. 

Em 2006, com o Sexteto de Jazz da ESMAE, participou na 4ª Festa do Jazz do São Luiz, onde lhe foi atribuído o prémio de Melhor Solista e Melhor Combo. Em 2012 lançou o álbum “Aljamia”,com música composta e arranjada por si para CORETO, grupo de onze músicos que lidera e que atualmente se encontra a preparar o terceiro álbum. 

Destacam-se ainda outros projetos na área do jazz: o AP Quinteto, com quem gravou “6e5” editado pela TOAP, e o Lúcia Martinez Quarteto, com quem gravou “Soños e Delírios” editado pela Karonte. Em 2010 fundou a Associação PortaJazz, que tem como objetivo promover o jazz e os seus músicos na cidade do Porto.

É professor de Saxofone (variante Jazz) no Conservatório de Música do Porto. Na Escola de Música Valentim de Carvalho, para além lecionar saxofone, flauta transversal, combo e dirigir a big band dos alunos, coordena o curso de Jazz.




Mário Santos Madeiras

saxofones soprano, alto e tenor, clarinete e clarinete baixo, flauta

Mário Santos nasceu em 1965 no Porto. Em 1986 iniciou os estudos musicais na Escola de Jazz do Porto com Mário Barreiros, Pedro Barreiros, Isabel Dantas, Pedro Abrunhosa e José Menezes. Aí leccionou mais tarde a disciplina de Saxofone. 

Participou em seminários e workshops com Richie Buckley, Andrzej Olejniczak, Rosario Giuliani, Bill McHenry, Bob Sands, Greg Osby, Lee Konitz e Chris Cheek. Colaborou na formação de vários grupos de jazz. Integrou o grupo Clã e foi elemento fundador d’Os Amigos da Salsa, onde permaneceu durante cinco anos.

Tocou em inúmeros festivais nacionais e também em Nantes, Macau e Angola. Atuou com Zlatko Kaucic, Joe Chambers, Martin France, Aldo Caviglia, Nelson Cedrez, Alexandre Frazão, Pedro Barreiros, Yuri Daniel, Bernardo Moreira, Pedro Gonçalves, Carlos Barretto, Pedro Abrunhosa, Mário Delgado, Pedro Madaleno, Ricardo Fabini, Aires Ramos, Nuno Ferreira, Vasco Agostinho, Paulo Pinto, Anthony Kerr, Diego Ebbeler, Carlo Morena, Pedro Sarmiento, Bob Sands, François Theberge, Toon Roos, Rámon Cardo, José Meneses, José Luís Rego, Pedro Moreira, João Courinha, Gerard Presencer, João Moreira, Thomas Walton, Eduardo Santos e k.a.f., entre outros. 

Gravou com Raul Marques e Os Amigos da Salsa, Pedro Abrunhosa, Clã, Vozes da Rádio, Ornatos Violeta, Carlos Azevedo Ensemble e Jacinta.

Leccionou na Escola do Hot Clube de Portugal, na Oficina de Música de Aveiro e no Instituto Orff do Porto, e atualmente na ESMAE, onde concluiu a Licenciatura em Jazz e frequentou o primeiro ano do Mestrado em Interpretação Artística na área do Jazz. 

Lidera os projetos Os Rapazes do Jazz, 4eto m.s., Mário Santos trio, Quinteto Mário Santos “bloco de notas” e Quarteto Henry Lowther/Mário Santos, e integra o trio de Manuel Beleza, Sexteto Mingus e mais de Laurent Filipe, Carlos Azevedo Ensemble, Orquestra de Jazz de Matosinhos, Big Band do Hot Clube de Portugal, Orquestra Anual do Guimarães Jazz, Sexteto Mário Barreiros e Quinteto de Pedro Guedes.



José Pedro Coelho Madeiras

saxofones soprano e tenor, clarinete, flauta

José Pedro Coelho, nascido em 1984, é um saxofonista e compositor residente no Porto. Licenciado em Jazz-Performance pela ESMAE - Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo, estudou com Carlos Azevedo, Paulo Maciel, Nuno Ferreira, Michael Laurent, entre outros. 

Participou na 1ª Big Band Nacional da Juventude dirigida por Pedro Moreira. Recebeu a distinção de solista revelação na 2ª Festa do Jazz do São Luiz. 

Desde 2003 que integra a Orquestra de Jazz de Matosinhos. 

Entre os músicos e projetos com quem tem vindo a documentar o seu trabalho, figuram Mário Barreiros, André Fernandes, Demian Cabaud, Diogo Vida, Iago Fernández, Susana Santos Silva, Baba Mongol, Low Budget Research Kitchen (música de Frank Zappa), Coreto, Gonçalo Marques ou Júlio Resende. Conta atualmente com cerca de vinte participações discográficas. Lidera o seu próprio quinteto, com quem gravou “Clepsydra” em 2012, e trabalha regularmente com um dos seus mais recentes grupos, o Ensemble Super Moderne, que lançou um álbum em 2014 com o mesmo nome.

É membro fundador da associação Porta Jazz, constituída por músicos de jazz e que tem por objectivo de dinamizar o panorama do jazz na cidade do Porto.




Rui Teixeira Madeiras

saxofone barítono, clarinete e clarinete baixo

Rui Teixeira começou a estudar saxofone em 1987, com o clarinetista Américo Aguiar, e um ano mais tarde ingressou na Escola de Jazz do Porto.  É licenciado em saxofone-jazz pela ESMAE - Escola Superior de Musica, Artes e Espectáculo. 

Em 1995 colaborou com a banda Clã, tendo participado na gravação do álbum “Kazoo”. Participou também na gravação do disco “Cem Anos de Cinema”, da cantora Maria Anadon, tocou com o grupo Raul Marques e Os Amigos da Salsa, Zé Eduardo Unit e Paulo Gomes Ensemble. Com o Carlos Azevedo Ensemble gravou o álbum “Lenda”. Gravou também com o Paulo Gomes Ensemble o álbum “Intro” , com o grupo ZOE os álbuns “Songs from the Borderline” e “Synth-o-matic"; e “Bhodi suite” com o sexteto Paulo Perfeito. Toca desde a sua fundação com a Orquestra Jazz de Matosinhos. 

Em 2000 compôs e interpretou em parceria com Marco Franco a música para a peça de teatro “Conversas Secretas”, de Donald Margulies, encenada por Manuel Coelho no Teatro Nacional D. Maria II. Em 2008 compôs a banda sonora para a peça de teatro “Eva a l’orange” com a companhia Tenda de Saias. 

Atualmente faz parte do grupo Low Budget Research Kitchen, projeto dedicado a tocar exclusivamente a música de Frank Zappa e que se tem apresentado em todo o país. Além da sua atividade como músico em Portugal, tem também feito alguns concertos em Espanha, Bélgica, Itália e Estados Unidos. Tocou no  Egito em 2011, no Cairo Jazz Festival com a Emjo-European Jazz Movement Orchestra.

Em 2011 estreou no 2º Festival Porta-Jazz no Porto um projeto com música original sua, chamado Rui Teixeira Group, que esteve também presente no Festival AngraJazz 2012 nos Açores. Com o Rui Teixeira Group, em 2013, editou um álbum inteiramente com composições suas, "Tu Não Danças". No mesmo ano gravou o segundo álbum de Baba Mongol "Eles e os Outros", e com o grupo Coreto os álbuns “Aljamia” e “Mergulho”. Faz parte do Ensemble Super Moderne, que editou em 2014 o aclamado álbum de título homónimo.





Gileno Santana Trompete

trompete, fliscorne

Baiano radicado em Portugal desde 2006, Gileno Santana afirmou-se no panorama musical nacional com a rapidez e consistência que se traduzem atualmente na posição de lead trumpet da Orquestra Jazz de Matosinhos. 

Compositor e instrumentista tecnicamente depurado, é reconhecido no circuito europeu, tendo sido distinguido com o prémio máximo do concurso BeJazz14, em Berna, Suíça. É também convidado com frequência para coordenar workshops e masterclasses em diferentes países de diferentes culturas musicais, como Espanha, França, Itália, Alemanha, Suíça, Bélgica, Áustria, Cabo Verde, Brasil, Coreia do Sul e Japão. 

Apesar da sua juventude, é um dos músicos mais requisitados para arranjos de big band,  participando em colaborações com nomes de referência como Orquestra Jazz de Matosinhos, Pedro Abrunhosa, Expensive Soul, entre outros. Em 2014 lançou o seu primeiro álbum em nome próprio,Metamorphosis, editado pela italiana Caligola Records. O álbum conta com a colaboração de músicos de destaque nacional como o guitarrista Miguel Moreira, o teclista Joaquim Rodrigues, o baixista José Carlos Barbosa e o baterista Mário Costa.



Javier Pereiro Trompete

trompete, fliscorne

Javier Pereiro nasceu em 1982, em Cangas de Morrazo, na Galiza (Espanha). Começou a estudar música clássica aos 6 anos, e trompete aos 9. Estudou no Conservatório Profissional de Música Manuel Quiroga de Pontevedra, onde obteve o Diploma de Músico Profissional Especializado em Trompete e estudou com alguns dos melhores professores de trompete clássico do mundo, como Maurice André, Eric Aubier, Javier Viceiro, Benjamín Moreno, Luis Amosa, Fran Mora, Jose Ortí, Esteban Batallán, Dominique Brunet e Sergio Pacheco. 

Iniciou os estudos em jazz com Abe Rábade e Paco Charlín, que se tornaram seus mentores e lhe ensinaram os fundamentos do género no Seminário Permanente de Jazz de Pontevedra. Obteve a Licenciatura em Música, variante Jazz - Trompete, na ESMAE - Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo, com os grandes mestres João Moreira e Nuno Ferreira, entre outros. 

Com o Combo da ESMAE, foi premiado com o Primeiro Prémio para o Melhor Combo de Escolas Superiores de Portugal no festival de jazz de Lisboa “Festa do Jazz do São Luiz 2011”, onde ganhou também uma menção honrosa como solista. Atualmente faz parte do Fernando Sánchez Quinteto, Ton Risco Quinteto, Chus Pazos Trio, Marcos Pin Tenteto e da big band Orquestra Jazz de Matosinhos.

Lidera ainda os seus próprios grupos como o GDJAZZ 4TET, que venceu o segundo prémio no Getxo International Jazz Contest 2010, e com o qual editou o seu álbum de estreia Black May, gravado em 2009 pela Free Code JazzRecords, com participação de Mike Moreno, Josh Ginsburg e E.J. Strickland.



Rogério Ribeiro Trompete

trompete, fliscorne

Rogério Ribeiro iniciou os seus estudos na Banda Musical de Pevidém. Frequentou o Conservatório de Música das Caldinhas e o Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga.

Terminou a licenciatura do curso de Jazz da ESMAE - Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo em 2005, onde foi aluno do trompetista Laurent Filipe. Frequentou diversos workshops com reconhecidos instrumentistas, como Cecil Bridgewater, Eric Poirier, Herb Robertson, Rosário Giuliani e Nick Marcioni, entre outros.

Integra a Orquestra Jazz de Matosinhos, e colaborou com várias formações, como o Decateto de Carlos Azevedo, com quem gravou a “Lenda”, o sexteto de Paulo Perfeito, com a gravação de “Bodhi Suite” e o Aretha Franklin Tribute, entre outros. 



Susana Santos Silva Trompete

trompete, fliscorne

Susana Santos Silva, trompetista, improvisadora e compositora, nasceu no Porto em 1979. Em 2004 concluiu a Licenciatura em Trompete na ESMAE - Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo, frequentando o último ano na Stlaatliche Hochschule für Musik Karlsruhe, na classe de Reinhold Friedrich. Em 2008 concluiu a Licenciatura em Trompete/Jazz, também na ESMAE. Em 2010 concluiu o Mestrado em Jazz Performance na Codarts em Roterdão, onde trabalhou com Eric Vloeimans, Jarmo Hoogendjik, Wim Both, Dick de Graaf e Kris Goessens.

Integra a Orquestra Jazz de Matosinhos desde 1998. É membro cofundador da Associação Porta-Jazz e do seu selo discográfico, Carimbo. Faz parte da European Movement Jazz Orchestra, realizando concertos na Alemanha, Eslovénia, Áustria, Portugal, Bélgica e Croácia. 

Em 2011 editou o seu primeiro álbum, Devil’s Dress. Os seus projetos atuais incluem o seu quinteto Impermanence, o trio LAMA, duos com Torbjörn Zetterberg, Kaja Draksler e Jorge Queijo, um trio com Zetterberg e Hampus Lindwall e uma colaboração com o trio belga De Beren Gieren. Lidera ainda Life and Other Transient Storms, o seu novo projeto com Lotte Anker, Sten Sandell, Torbjörn Zetterberg e Jon Fält. Integra também o Coreto, o João Guimarães Zero e o Torbjörn Zetterberg Och Den Stora Frågan.




Daniel Dias Trombone

trombone

Daniel Dias nasceu em 1981 em Santa Maria da Feira. Estudou na Escola Profissional de Música de Espinho e na ESMAE - Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo, no Curso de Trombone.

Foi membro bolseiro da Orquestra de Jovens de Santa Maria da Feira e durante dois anos fez parte da Banda da Praça da Alegria (RTP). Fez parte da orquestra dos musicais de Filipe La Féria, colaborando nas peças A Gaiola das Loucas e Annie. Já orientou várias masterclasses de Trombone na Ilha do Pico (Açores), Conservatório de Aveiro, Centro Cultural da Branca (para a Federação de Bandas do distrito de Aveiro), Conservatório Regional da Madeira, na Escola Profissional de Mirandela e nos Cursos de Verão de Amarante.

Trabalhou como reforço na Orquestra Filarmonia das Beiras, Orquestra Regional do Norte, Orquestra Sinfónica da Póvoa de Varzim, Orquestra de Sonhos, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra Nacional do Porto, Orquestra da E.S.A.R.T. e Orquestra do Minho.

É membro do Ensemble Português de Trombones, com o qual gravou o álbum A Different Era. Faz também parte do grupo Mr. MC and the Wild Bones Gang, realizando com esta formação vários concertos, participando também no Festival de Metais de Genebra (Suíça). É membro dos projetos Funky Bones Factory, Banda Sinfónica Portuguesa, Ploo e Coreto, com o qual gravou os álbuns Aljamia e Mergulho.

Atualmente leciona na Academia de Música e na Escola Profissional de Música de Espinho.



Álvaro Pinto Trombone

trombone

Álvaro Pinto nasceu no Porto em 1975. Iniciou os seus estudos musicais aos 14 anos de idade na Escola da Banda de Música da STCP. Em 1990 ingressou no Conservatório de Música do Porto. Terminou a licenciatura na ESMAE - Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo em 2003, na classe do Professor Jon Etterbeek. Concluiu a Profissionalização em Serviço pela Universidade de Aveiro em 2009. 

Já trabalhou com a Orquestra Nacional do Porto, Orquestra Clássica da Madeira, Orquestra Sinfonieta, Filarmonia das Beiras, Orquestra do Norte, Sinfónica das Escolas de Música, Orquestra de Câmara Musicare, Orquestra de Câmara de Braga, Orquestra de Câmara de Pedroso, Orquestra do Centro, Orquestra Sinfónica da Povoa do Varzim, Grupo Música Nova e Grupo de Metais do Porto. É elemento efetivo da Orquestra Jazz de Matosinhos. 

Participou em masterclasses com os trombonistas Joseph Alessi, Benny Sluchin, Idalecio Manrique, Emidio Coutinho, Esmael Santos, Jonathan Pippen, Simon Cowen, Carlos Reinaldo Guerreiro, Ricardo Casero; e no Workshop de Big Band dirigido por Cecil Bridgwater. Frequentou Cursos de Direção de Orquestra de Sopros com os Maestros Alberto Roque e Délio Gonçalves. Atualmente frequenta o Curso de Direção na Academia Portuguesa de Banda com o maestro Paulo Martins. 

Desempenhou de 2001 a 2006 o cargo de Diretor Pedagógico no Conservatório de Música de Águeda. Atualmente lecciona a classe de trombone nos Conservatórios de Música de Coimbra e Jobra (Curso Profissional). 




Paulo Perfeito Trombone

trombone

Paulo Perfeito, trombonista, compositor e pedagogo, nasceu no Porto em 1974. Os seus estudos musicais iniciaram-se na Banda Marcial da Foz do Douro, tendo prosseguido no Conservatório de Música do Porto, e mais tarde na Escola de Jazz do Porto.

Após frequentar o Summer Jazz Workshop de Jamey Aebersold em 1996, foi incentivado a continuar os seus estudos em Jazz na Berklee College of Music, onde obteve em 2001 o grau de Bachelor of Music. Em 2007, obteve o grau de Master of Music no New England Conservatory e atualmente conclui um Doctor of Musical Arts na prestigiada Eastman School of Music.

Entre os inúmeros prémios que recebeu, destacam-se o DownBeat Student Music Award em 2013, Marian McPartland Scholarship, Fulbright Scholarship, Herb Pomeroy Award for Outstanding Jazz Composer and Arranger e a Bolsa Jovens Criadores do Centro Nacional de Cultura.

Colabora regularmente com diversas instituições, entre as quais a Orquestra de Jazz de Matosinhos, Casa da Música, European Movement Jazz Orchestra, ESMAE - Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo, Universidade de Aveiro, Academia de Música de Espinho, Conservatório da Jobra e Escola de Artes de Sines. Lidera a Nu Jazz Orchestra, o 6teto Paulo Perfeito, o Upstate Connection Unit, e é membro do Ensemble Super Moderne, Funky Bones Factory e da banda do canta-autor Miguel Araújo.



Andreia Santos Trombone

trombone

Andreia Santos iniciou os seus estudos aos oito anos em eufónio, na Escola da Banda de Música da Quinta do Picado. Frequentou o Conservatório de Música de Aveiro, e mais tarde estudou na Escola Profissional de Música de Espinho. Assistiu a masterclasses de trombone com vários professores, entre eles Joseph Alessi e Hugo Assunção. Em 2004, tocou num concerto a solo com a Orquestra de Jovens Músicos do Inatel. Mais tarde, estudou trombone jazz, tendo como professores o trombonista Lars Arens, o trompetista João Moreira e o pianista Carlos Azevedo. Participou em vários workshops de jazz com Jayson Palmer, George Colligan, João Martins e Óscar Graça, Lars Dietrich, Samir Zarif e Marshall Gilks. 

Em 2011, ganhou o primeiro prémio na categoria de combos de escolas superiores, no Festival de Jazz do São Luiz, em representação da ESMAE. Gravou um álbum de originais (também em 2011) e tem participado em gravações com a Orquestra Jazz de Matosinhos e o CORETO, entre outros.

Atualmente, frequenta o mestrado em ensino, variante jazz, na Universidade de Aveiro, e leciona o curso profissional de jazz do Conservatório de Coimbra. 


Gonçalo Dias Trombone

trombone

Natural de Alcobaça, Gonçalo Dias iniciou os estudos musicais no Conservatório Regional de Tomar com Alexandre Vilela. Mais tarde ingressou na ESMAE - Escola Superior de Musica, Artes e Espectáculo onde concluiu a Licenciatura em Trombone Baixo com Jon Etterbeek e Severo Martinez. Participou na Orquestra de Jovens das escolas de música particulares, assim como nos estágios da Orquestra de Sopros dos Templários. Fez vários cursos de aperfeiçoamento com os mais prestigiados trombonistas da atualidade, como Joseph Alessi, David Taylor, Jörgen van Rigen, Gilles Milliére, Ben van Dijk, Anne-Jelle Visser (tuba), Hugo Assunção e Ricardo Casero, entre outros. 

Tem colaborado regularmente com algumas das principais orquestras nacionais: Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música, Metropolitana de Lisboa, Sinfonieta de Lisboa, Orquestra do Norte, Orquestra Filarmonia das Beiras, Remix Ensemble Casa da Música e, em Espanha, a Orquestra Sinfónica da Galiza. É membro da Banda Sinfónica Portuguesa, com a qual tem trabalhado com os mais importantes maestros neste tipo de formação.

Atualmente é professor de trombone na Escola Profissional de Música de Viana do Castelo e na Academia de Música de Costa Cabral no Porto.



Demian Cabaud Secção Rítmica

contrabaixo

Demian Cabaud nasceu em 1977, em Buenos Aires, Argentina. Formou-se no Instituto Tecnológico de Música Contemporánea, Buenos Aires, e na Berklee College of Music International Network na Argentina. Em 2001 foi bolseiro na Berklee College of Music em Boston, Massachusetts, obtendo o diploma em Maio de 2003. Estudou contrabaixo com Hernan Merlo e com o maestro Miguel Angel Villarroel, e está atualmente sob tutoria do maestro Alejandro Erlich Oliva. Teve oportunidade de estudar com alguns dos músicos de jazz mais prestigiados do mundo, como Hal Crook, Ed Tomassi, Dave Santoro, John Lockwood, Whit Brown, George Garzone, Danilo Perez e Frank Carlberg.

Atualmente é membro regular da Orquestra Jazz de Matosinhos. Como líder lançou os álbuns “Naranja” (2008), “Ruínas” (2010) e “How about you?” (2011) pela editora Tone of a Pitch; e “En Febrero” (2013), pela Fresh Sound New Talent Records.

Já colaborou com Lee Konitz, Joe Lovano, Chris Cheek, Mark Turner, Bill Mchenry, Rich Perry, Rick Margitza, Seamus Blake, Ohad Talmor, Perico Sanbeat, Jesus Santandreu, David Schnitter, Maria Schneider, Kurt Rosenwinkel, Phil Grenadier, Darren Barret, Russ Johnson, Jason Palmer, Juan Cruz Urquiza, Jason Moran, Bill Carrothers, Leo Genovese, Bernardo Sasseti, Albert Sanz, Mario Laginha, Maria Rita, Maria Joao, Theo Bleckman, Sheila Jordan, John Riley, Jorge Rossy, Gerald Cleavert, Francisco Mela, Dan Weiss, Ferenc Nemeth e John Hollenbeck, entre muitos outros. Colaborou com Joe Lovano no DVD educativo “Developing a personal approach” (Berklee Press).





Marcos Cavaleiro Secção Rítmica

bateria

Marcos Cavaleiro nasceu em Basel, Suíça, em 1980. Estudou na escola Taller de Músics, em Barcelona, e mais tarde licenciou-se pela ESMAE - Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo no Porto. Estudou e frequentou workshops com Michael Laurent, Acácio Salero, Alexandre Frazão, Marc Miralta, Jorge Rossy, John Riley e Dan Weiss. 

Já teve a oportunidade de trabalhar com André Fernandes, André Matos, Afonso Pais, Ana Bacalhau, Ana Moura, Bernardo Sasseti, Bernardo Moreira, Bill Carrothers, Carlos Barreto, David Doruzka, Demian Cabaud, Ernesto Jodos, Guillermo Klein, Jeff Davis, João Moreira, Julian Argüelles, Jesus Santandreu, Jorge Rossy, Leo Genovese, Maria João e Mário Laginha, Matt Renzi, Nuno Ferreira, Nelson Cascais, Phil Grenadier, Romain Pilon e Sara Serpa.

É membro da Orquestra Jazz de Matosinhos desde 2007. Atualmente, colabora ainda com André Fernandes BOX, Demian Cabaud Quarteto, Mário Santos Bloco A4, Susana Santos Silva Quinteto e Jeff Davis. 

É professor de bateria no Curso Profissional de Jazz do Conservatório da Jobra e professor no Mestrado de Jazz da Universidade de Aveiro.